Unidade de Oncologia da Santa Casa de Ourinhos terá programação especial em comemoração ao Outubro Rosa

A Unidade de Oncologia da Santa Casa de Ourinhos, em parceria com o grupo Amigas do Peito, deu início na manhã de sexta-feira, 04, a uma programação toda especial referente ao Outubro Rosa, mês dedicado a muita informação e conscientização sobre a prevenção ao câncer de mama e colo de útero.

A campanha Outubro Rosa faz parte do quadrimestre oncológico da Santa Casa de Ourinhos, que é uma referência aos meses de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce aos vários tipos de câncer.

Para marcar o início da programação, houve uma solenidade de lançamento da programação e também do Projeto Pense Rosa. O evento contou com a presença do presidente da Associação da Santa Casa de Ourinhos, Celso Zanuto; do diretor da Unidade de Oncologia, o médico-radio-oncologista Dr. Norberto Paes; a fisioterapeuta da Unidade, Ana Paula Damasceno Zanuto; a gerente da Unidade, Terezinha Mantovani; a psicóloga da Santa Casa de Ourinhos, Janaina Coral; integrantes do Grupo Amigas do Peito, além das colaboradoras e pacientes que realizam o tratamento no hospital.

O presidente da Associação da Santa casa de Ourinhos, Celso Zanuto, agradeceu toda a equipe da Unidade de Oncologia pelo trabalho que realiza no dia a dia e pelas campanhas que promovem as quais contribuem para conscientizar os pacientes e a sociedade em geral sobre a importância da prevenção do câncer.

O médico-radio-oncologista Dr. Norberto Paes, falou sobre o Movimento Outubro Rosa, o papel da mulher em realizar o trabalho preventivo e também frisou a importância de se ter uma vida saudável como parte dos cuidados para evitar o câncer. “A campanha Outubro Rosa quer ajudar as pessoas a fazer a prevenção ou descobrir a doença no começo. A cada oito mulheres no mundo, uma terá o câncer de mama, o que podemos considerar um número elevado. No Brasil, em 2019, serão mais de 60 mil novos casos; em Ourinhos, serão até 70 novos casos. Então essa campanha contribui para que as mulheres e os homens tenham um hábito de vida mais saudável, priorizando uma alimentação equilibrada, a prática de atividades físicas, de não fumar e não beber, não se estressar e participar das campanhas do diagnóstico precoce. Fico feliz de estar aqui hoje, parabenizo toda nossa equipe, as Amigas do Peito e que possamos levar as informações para outras esposas que não tenham acesso”.

A fisioterapeuta destacou o lançamento do projeto Pense Rosa, que prevê uma série de atividades envolvendo diversos profissionais da área saúde, da beleza, fotografia e alimentação junto aos pacientes. Inclusive, uma das novidades foi a exposição de fotos com diversas mulheres que estão em tratamento ou que foram curadas do câncer. As fotos ficarão expostas durante todo o mês na unidade.

Wanderlea Gonçalves Pinto Andrade Ramos, mais conhecida como Lea, que é um exemplo de superação já que venceu a luta contra o câncer, integra o Grupo Amigas do Peito e faz um trabalho de conscientização sobre o câncer na Unidade de Oncologia. “Quanto mais cedo diagnosticar o cancer, maior será a chance de cura. Então pedimos para que essa conscientização não seja apenas em outubro, mas o ano todo”.

Equipe multidisciplinar da UTI e Pronto- Socorro da Santa Casa participa de treinamento em Assis

equipe multi

No último dia 19, colaboradores da Santa Casa que integram a equipe multidisciplinar da UTI e Pronto-Socorro participaram no Hospital Regional de Assis de um treinamento no diagnóstico de morte encefálica e manutenção do provável doador de órgãos.

O curso foi ministrado pela equipe da OPO (Organização de Procura de Órgãos e Tecidos) de Marília. O evento ocorreu nesse mês, pois dia 27 de setembro é o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos.

Representando a Santa Casa de Ourinhos estavam duas médicas da UTI, Dra. Adriana e Dra. Samara, a enfermeira supervisora da UTI, Priscila, a enfermeira supervisora do Pronto-Socorro, Elizângela, enfermeira assistencial da UTI, Mônica, enfermeiros assistenciais do Pronto-Socorro, Ana e Cristiano, as três psicólogas da Santa Casa, Amanda, Áurea e Paula, a fonoaudióloga Thais e a nutricionista Marcela.

“Temos que ter uma equipe multidisciplinar preparada e atualizada para prestar o melhor atendimento possível nesse momento tão delicado. É nossa responsabilidade tentar amenizar o sofrimento da família prestando um atendimento acolhedor e humanizado”, explicou a psicóloga supervisora Amanda Tupiná.

“No curso foi abordado o tema da morte encefálica. O assunto é importante, pois uma vez bem conduzido o processo, podemos gerar a doação de órgãos e salvar muitas vidas”, destacou a médica coordenadora do Pronto-Socorro e plantonista da UTI adulto, Dra. Adriana Fleury de Vasconcellos.

Santa Casa atendeu mais de 80% dos casos pelo SUS no primeiro semestre

fachada

Considerada um dos 50 melhores hospitais do país, a Santa Casa de Ourinhos divulga balanço do primeiro semestre com a marca de mais de 80% dos atendimentos pelo SUS. Atualmente, a Santa Casa recebe pacientes de Ourinhos e mais de 60 municípios, dependendo da especialidade, o que representa uma população de mais de 1 milhão de habitantes.

Só de atendimento ambulatoriais na Santa Casa soma-se 6.517 de janeiro a junho, o que representa mais de 95% do serviço prestado pelo SUS. Convênio foram 255 e particular 36. Internações pelo SUS foram 3.708 no primeiro semestre, convênio 874 e particular 308.

Atendimento de urgência e emergência foram 4.734, chegando a quase 90% pelo SUS, convênio 545 e particular 18. Já os procedimentos no Ambulatório de Especialidades foram 2.747, também com média de mais de 80% pelo SUS, convênio 482 e particular 5.

Das vagas pactuadas para pacientes de Ourinhos, a Santa Casa atendeu todos os meses do primeiro semestre o dobro do número contratado, revelando sua atenção à saúde de quem precisa de vagas para internação. Foram 1610 atendimentos, uma média de 120 atendimentos mensais.

Os números comprovam que o atendimento da Santa Casa de Ourinhos é quase que integralmente pelo SUS e é importante destacar também que a Santa Casa atende um teto maior do que o contratado, por isso a ajuda de toda a comunidade é sempre importante para manter o hospital ativo e salvando vidas todos os dias.

Para se ter ideia do quanto a Santa Casa atende a mais pelo SUS, de janeiro a junho eram para ter sido feitas 539 internações, mas foram feitas 774, o que representa 40% a mais. Exames eram para ter sido feitos 6043, contudo a Santa Casa realizou 7652, já consultas foram 2 mil a mais.

Mensalmente, existe um déficit de R$100 mil a receber do SUS, pois a Santa Casa atende mais pacientes do que o Sistema Único de Saúde paga. O montante acumulado a receber do SUS chega a quase R$2 milhões.

Enfermeira da Santa Casa de Ourinhos participa de congresso da SOBECC em SP

Com objetivo de se qualificar e adquirir mais conhecimento, a enfermeira do Centro Cirúrgico da Santa Casa de Ourinhos, Jeane Aparecida da Silva Araújo, participou entre os dias 3 a 6 de setembro, da 14ª edição do Congresso Brasileiro de Enfermagem em Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e Esterilização da SOBECC Nacional, em São Paulo.

O evento acontece bianualmente, sendo muito esperado pelos profissionais do bloco operatório, pois já é considerado o maior evento científico nacional, atraindo mais de 2.000 participantes, vindos de todo o Brasil e também de países da América Latina.

A comissão organizadora deste congresso trabalha intensamente na elaboração de uma programação científica rica tanto para o pré-congresso, com oficinas práticas, e também para o congresso com importantes temas da enfermagem perioperatória, sem perder de vista as inovações e avanços tecnológicos ocorridas na área, com a participação de convidados e palestrantes nacionais e internacionais, referências em suas áreas de atuação.

Paralelamente, durante o congresso, a enfermeira Jeane Aparecida, assim como os demais participantes tiveram a oportunidade de visitar a feira tecnológica, que contou com expositores de várias partes do Brasil, apresentando novos produtos, serviços e equipamentos para que o profissional do bloco operatório se atualize e leve para o seu dia a dia de trabalho as inovações, aplicando os aprendizados e novas experiências nas instituições onde atuam, contribuindo cada vez mais para o aprimoramento das melhores práticas em saúde da nossa área.

Para a enfermeira Jeane Aparecida, o congresso foi um momento ideal para trocar experiências e aprimorar as ações no dia a dia de trabalho. “Com certeza essa troca de experiência com outros profissionais da área neste congresso foi muito importante, pois o nosso objetivo é realmente se atualizar para sempre oferecer a melhor assistência, qualidade e segurança aos pacientes que nós atendemos no dia a dia na Santa Casa de Ourinhos”.

É importante ressaltar que a Santa Casa de Ourinhos valoriza e incentiva a sua equipe de colaboradores a participar de cursos e congressos que contribuem na qualificação e capacitação profissional, para cada vez mais atender melhor os pacientes do hospital.

CIHDOTT da Santa Casa de Ourinhos realiza importante trabalho na captação de órgãos

c886c939-9482-435f-a06c-a6f8d24e4057

Mais do que uma demonstração de amor ao próximo, a doação de órgãos pode ser a única esperança de vida ou oportunidade de recomeço para pacientes à espera de um transplante. No dia Nacional de Doação de Órgãos, celebrado nesta sexta-feira, 27 de setembro, é fundamental reforçar a importância das pessoas cada vez mais terem a consciência e a iniciativa de defesa da vida.

Em Ourinhos, a doação de órgãos começa a ter um papel importante no dia a dia da sociedade. O assunto está cada vez mais em evidência e aos poucos a população tem se conscientizado da importância em aderir a esta ação e se tornar um doador e principalmente: devolver a vida e o amor para muitas famílias.

Esse novo cenário que revela o envolvimento das pessoas com a doação e órgãos é comprovado através de um balanço feito pela Comissão Intra-Hospitalar de Transplante de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT), um setor da Santa Casa de Ourinhos que atua desde 2015 com um trabalho exemplar e eficiente na captação de órgãos junto aos familiares que tiveram algum ente falecido no hospital.

De acordo com dados da CIHDOTT, em 2015 o setor registrou 36 doações entre córneas, fígado e rins. Em 2016 foram 34 doações, sendo que desse total surgiram dois corações; em 2017 esse número caiu para 31; em 2018 somou apenas 12 doações e em 2019 as doações já subiram e até o mês de setembro foi registrada um total de 20.

O enfermeiro André Luiz Augusto Moreira, coordenador do CIHDOTT, explicou que essa variação no número de doações por ano tem uma explicação. Apesar de o hospital registrar uma média de 65 óbitos por mês, nem todos os casos são potenciais doadores. Segundo ele, existem critérios que devem ser seguidos, entre eles, se o paciente é menor de 02 anos ou tem mais de 70 anos, restrições clínicas, doenças infecciosas ativas. Na parada cardíaca a doação ocorre somente de tecido, (córneas), já na morte encefálica pode ser de múltiplos órgãos.

 “Os nossos números de doação são bem expressivos, a quantidade é muito grande. A nível de região, posso afirmar que nos destacamos muito porque temos uma equipe presente, Nós visitamos as UTIs e os leitos diariamente para avaliar potenciais  doadores, explicou André Moreira.

Um detalhe importante que algumas vezes dificulta a doação de órgãos é a restrição familiar.  Porém, segundo o coordenador do CIHDOT, esse cenário já melhorou e a conscientização tem sido cada vez maior. “Quando comecei em 2015 com o CIHDOTT, quase que pedi para fazer outra coisa, porque era difícil aceitação familiar, de cada 10 pessoas abordadas, 100% negava a doação. Nos últimos anos, nossos indicadores têm mostrados bons números, o que considero fruto do trabalho que desenvolvemos no dia a dia e das nossas ações e campanhas realizadas nos últimos tempos”.

O enfermeiro explicou também que os órgãos captados seguem para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista única, definida pela Central de Transplantes do estado e controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes. “A central faz a distribuição de acordo com a fila de prioridades e valoriza a condição clínica do paciente e a compatibilidade com o órgão doado. Nos não realizamos transplantes no hospital”.

Como ser um doador e a sua importância

No Brasil, para se tornar um doador, o primeiro passo é comunicar a intenção à família, uma vez que a concessão de órgãos só é feita mediante autorização familiar. Por isso, segundo o enfermeiro, é importante a família discutir em vida sobre a doação de órgãos. “Nós do CIHDOTT não podemos induzir as famílias a doarem os órgãos, pois a doação é algo espontâneo que vem do coração e deve ser respeitado o desejo da família. O que nós fazemos é uma entrevista aberta e deixamos a família decidir. Por isso, é muito importante discutir esse assunto em vida, pois facilita tanto para a família como para a Equipe do hospital”.

Existem dois tipos de doadores: o doador vivo, que pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, desde que não prejudique a sua própria saúde. Em vida, podem ser doados rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores. Não parentes só com autorização judicial; e o doador falecido, que são os com morte encefálica comprovada.

Diante disso, o enfermeiro André Moreira reforça a importância da doação. “Hoje  sei que não preciso de um órgão, mas amanhã posso precisar. Tivemos um caso que chamou muito a atenção, durante uma entrevista a qual considero a mais fácil que realizamos. Um Paciente faleceu no nosso hospital e durante a entrevistar com os familiares  um dos filhos disse que era a favor, porque ele tinha recebido um órgão e sabia da angústia daquele que está na fila do transplante. Foi muito emocionante”.

André Moreira deixou claro também que todo processo de doação é seguro. “Ninguém vai retirar um órgão de uma pessoa viva, para tanto seguimos um protocolo da Central de Transplante de Morte Encefálica, que consiste em três etapas de exames, sendo dois clínicos e um de imagem. Garanto que tudo é muito seguro e  documentado”.

Outra questão importante destacado pelo coordenador do CIHDOT é que se a retirada dos órgãos irá descaracterizar a pessoa falecida. “Garantimos a integridade do corpo, tudo que é retirado é reconstituído. Se fez a doação de múltiplos órgãos, no local é feito a reconstrução  para manter a estética. Com relação a córnea colocamos prótese e o caixão não é lacrado, ou seja, a família não perde o direito de fazer o velório de 24h”.

Público lota Diacuí para prestigiar Festival de Prêmios em prol da Unidade de Oncologia da Santa Casa de Ourinhos

Cerca de 5 mil pessoas deram uma linda demonstração de solidariedade e lotaram o Clube Balneário Diacuí na tarde do domingo, 25 de agosto, para participar do Festival de Prêmios em prol da Unidade de Oncologia da Santa Casa de Ourinhos.

O evento sorteou uma Moto Honda CG 160cc Star 0km, um Gol 1.0 MPI 4 portas 0km, além de vários prêmios em dinheiro.

O ganhador do Gol 0km foi o funcionário público Gustavo de Oliveira. Ele comprou duas cartelas na portaria do clube e disse que tinha certeza que ganharia o carro “Nunca tinha ganhado nada e desta vez tive a sorte de ser contemplado com um carro. Falei durante a semana toda para meus amigos que eu iria levar o carro e não deu outra. Foi muito emocionante”, destacou ele que na terça-feira, 27, já retirou o veiculo na concessionaria Automar.

Gustavo de Oliveira falou também da importância de ter ajudado a Unidade de Oncologia ao participar do evento comprando as cartelas. “Nós que já tivemos casos de câncer na família sabemos como é importante ajudar a Santa Casa para que possa sempre oferecer um bom atendimento aos pacientes”.

Já a grande ganhadora da moto Honda 0km foi a gerente da Unidade de Oncologia, Terezinha Mantovani. “Quando eu adquiri os bingos, cinco no total, foi com intuito de ajudar a instituição, visto que nunca ganhei antes. Quando sai de casa combinei com meus dois filhos que se sorteada dividiríamos em três, por isso quando fechei a cartela com o número 48 me senti abençoada e agradecida a Deus por permitir que eu ajudasse meus filhos”.

O Festival premiou os voluntários que comercializaram as cartelas vencedoras. Marcelo Pereira Dias, da Contrulopes e Gimenes, e Glaucia Silvia Oliveira, da Unidade de Oncologia, ganharam cada um R$ 500,00.

O presidente da Associação da Santa Casa de Ourinhos, Celso Zanuto, fez questão de parabenizar a população por prestigiar o evento e contribuir com a Unidade de Oncologia. “Quero agradecer a população que compareceu em massa para nos ajudar e dizer que todas as campanhas que realizamos são bem sucedidas e o povo sempre colabora. Podemos dizer que esse evento é um sucesso e já estamos agendando para o segundo semestre do ano que vem a segunda edição do Festival de Prêmios”.

Todo o dinheiro arrecadado com a venda das cartelas do Festival de Prêmios será revertido para o custeio da Unidade de Oncologia.

Equipe da UTI Neonatal da Santa Casa de Ourinhos participa de curso de aleitamento materno em SP

Nos dias 16 e 17 de agosto a Enfermeira Adriana Timoteo Oliveira, a Enfermeira Assistencial Jacqueline Francisco de Oliveira e a Fonoaudióloga Nilce de Oliveira Almeida Mattos, participaram de um curso de Atualização de Leite materno na UTI Neonatal – Estratégias para mãe e o bebê prematuro, em São Paulo.

O curso foi ministrado pelo Pediatra Neonatologista Dr. Ricardo Nunes, especialista nos Cuidados voltados para o desenvolvimento do recém-nascido pré-termo e cuidados centrados na família.

O curso teve como objetivo proporcionar estratégias para a importância do leite materno exclusivo na alta do recém-nascido; humanização com o recém-nascido e mães prematuras e o incentivo da doação do leite materno para o banco de leite; cuidados voltados para o desenvolvimento canguru e amamentação; engenharia láctea; colostroterapia; e utilização do Leite Materno Cru.

De acordo com a supervisora da Unidade de Terapia Infantil (UTI), Adriana Timoteo, os benefícios do aleitamento materno são inúmeros. Além de estar sempre pronto, na temperatura certa e não custar nada, esse ato estimula o vínculo afetivo entre a mãe e o bebê e é fundamental para a saúde de ambos.

Na Santa Casa de Ourinhos, a equipe estimula e orienta as mães sobre a importância da amamentação desde a internação até o nascimento do bebê. “A amamentação é estimulada logo na primeira hora de vida do bebê. Isso aumenta o sucesso do aleitamento materno e proporciona inúmeros benefícios como não separar o bebê da mãe na UTI. Isso faz com que não se rompa o vínculo afetivo. Além disso, durante todo o período de internação, é estimulado o aleitamento materno, as mães recebem a visita da equipe médica e de Enfermagem. Têm o acompanhamento da fonoaudióloga que avalia e estimula a coordenação, sucção, deglutição, respiração do RN. A Psicologia promove acolhimento psicológico á família, promoção do vinculo mãe/bebe, o suporte, apoio, encorajamento e estímulo á amamentação. Também conta com visitas diárias da Enfermeira do banco de leite, Tatiana Petermann Maximino, onde divulga a existência do mesmo e a importância da doação do leite materno”, destacou Adriana.