Público lota Diacuí para prestigiar Festival de Prêmios em prol da Unidade de Oncologia da Santa Casa de Ourinhos

Cerca de 5 mil pessoas deram uma linda demonstração de solidariedade e lotaram o Clube Balneário Diacuí na tarde do domingo, 25 de agosto, para participar do Festival de Prêmios em prol da Unidade de Oncologia da Santa Casa de Ourinhos.

O evento sorteou uma Moto Honda CG 160cc Star 0km, um Gol 1.0 MPI 4 portas 0km, além de vários prêmios em dinheiro.

O ganhador do Gol 0km foi o funcionário público Gustavo de Oliveira. Ele comprou duas cartelas na portaria do clube e disse que tinha certeza que ganharia o carro “Nunca tinha ganhado nada e desta vez tive a sorte de ser contemplado com um carro. Falei durante a semana toda para meus amigos que eu iria levar o carro e não deu outra. Foi muito emocionante”, destacou ele que na terça-feira, 27, já retirou o veiculo na concessionaria Automar.

Gustavo de Oliveira falou também da importância de ter ajudado a Unidade de Oncologia ao participar do evento comprando as cartelas. “Nós que já tivemos casos de câncer na família sabemos como é importante ajudar a Santa Casa para que possa sempre oferecer um bom atendimento aos pacientes”.

Já a grande ganhadora da moto Honda 0km foi a gerente da Unidade de Oncologia, Terezinha Mantovani. “Quando eu adquiri os bingos, cinco no total, foi com intuito de ajudar a instituição, visto que nunca ganhei antes. Quando sai de casa combinei com meus dois filhos que se sorteada dividiríamos em três, por isso quando fechei a cartela com o número 48 me senti abençoada e agradecida a Deus por permitir que eu ajudasse meus filhos”.

O Festival premiou os voluntários que comercializaram as cartelas vencedoras. Marcelo Pereira Dias, da Contrulopes e Gimenes, e Glaucia Silvia Oliveira, da Unidade de Oncologia, ganharam cada um R$ 500,00.

O presidente da Associação da Santa Casa de Ourinhos, Celso Zanuto, fez questão de parabenizar a população por prestigiar o evento e contribuir com a Unidade de Oncologia. “Quero agradecer a população que compareceu em massa para nos ajudar e dizer que todas as campanhas que realizamos são bem sucedidas e o povo sempre colabora. Podemos dizer que esse evento é um sucesso e já estamos agendando para o segundo semestre do ano que vem a segunda edição do Festival de Prêmios”.

Todo o dinheiro arrecadado com a venda das cartelas do Festival de Prêmios será revertido para o custeio da Unidade de Oncologia.

Equipe da UTI Neonatal da Santa Casa de Ourinhos participa de curso de aleitamento materno em SP

Nos dias 16 e 17 de agosto a Enfermeira Adriana Timoteo Oliveira, a Enfermeira Assistencial Jacqueline Francisco de Oliveira e a Fonoaudióloga Nilce de Oliveira Almeida Mattos, participaram de um curso de Atualização de Leite materno na UTI Neonatal – Estratégias para mãe e o bebê prematuro, em São Paulo.

O curso foi ministrado pelo Pediatra Neonatologista Dr. Ricardo Nunes, especialista nos Cuidados voltados para o desenvolvimento do recém-nascido pré-termo e cuidados centrados na família.

O curso teve como objetivo proporcionar estratégias para a importância do leite materno exclusivo na alta do recém-nascido; humanização com o recém-nascido e mães prematuras e o incentivo da doação do leite materno para o banco de leite; cuidados voltados para o desenvolvimento canguru e amamentação; engenharia láctea; colostroterapia; e utilização do Leite Materno Cru.

De acordo com a supervisora da Unidade de Terapia Infantil (UTI), Adriana Timoteo, os benefícios do aleitamento materno são inúmeros. Além de estar sempre pronto, na temperatura certa e não custar nada, esse ato estimula o vínculo afetivo entre a mãe e o bebê e é fundamental para a saúde de ambos.

Na Santa Casa de Ourinhos, a equipe estimula e orienta as mães sobre a importância da amamentação desde a internação até o nascimento do bebê. “A amamentação é estimulada logo na primeira hora de vida do bebê. Isso aumenta o sucesso do aleitamento materno e proporciona inúmeros benefícios como não separar o bebê da mãe na UTI. Isso faz com que não se rompa o vínculo afetivo. Além disso, durante todo o período de internação, é estimulado o aleitamento materno, as mães recebem a visita da equipe médica e de Enfermagem. Têm o acompanhamento da fonoaudióloga que avalia e estimula a coordenação, sucção, deglutição, respiração do RN. A Psicologia promove acolhimento psicológico á família, promoção do vinculo mãe/bebe, o suporte, apoio, encorajamento e estímulo á amamentação. Também conta com visitas diárias da Enfermeira do banco de leite, Tatiana Petermann Maximino, onde divulga a existência do mesmo e a importância da doação do leite materno”, destacou Adriana.

Núcleo de Relacionamento da Santa Casa está em funcionamento em um novo endereço

Para melhor atendimento aos pacientes, o Núcleo de Relacionamento da Santa Casa de Ourinhos mudou-se para um novo espaço ao lado da entrada principal do hospital, em frente à Praça Hermelino Agnes de Leão (antiga Assoprami).

Há cinco anos, a Santa Casa de Ourinhos criou o Núcleo de Relacionamento, que é um setor direcionado para os atendimentos particulares.

São oferecidas diversas opções para procedimentos em especialidades como: Ginecologia, Obstetrícia, Neurologia, Ortopedia, Cirurgia Geral, Cirurgia Plástica, Urologia, Vascular, Proctologia, Otorrino, Cabeça e Pescoço, Dermatologia entre outros.

O Núcleo de Relacionamento é responsável pela emissão dos orçamentos e a negociação dos procedimentos cirúrgicos, bem como de Exames de Imagem, Colonoscopia, Endoscopia, Check- Up Cardiológico, sempre levando em conta um atendimento personalizado, de acordo com as necessidades de cada paciente, desde a chegada ao hospital, até a alta.

Atendimento ao público é de segunda a sexta-feira, da 8h00 às 18h00 e aos sábados das 8h00 às 12h30. Mais informações pelos telefones (14) 3302-6600 – Ramais 2162/2302 ou celular (014) 99779-2780 – WhatsApp.

Santa Casa realiza primeiro parto na água no novo Centro Materno Infantil

Atendimento verdadeiramente humanizado é uma das principais metas da Santa Casa de Ourinhos. O hospital já é considerado um dos 50 melhores do país e recentemente inaugurou um completo Centro Materno Infantil.

E esse novo espaço foi palco de muita emoção ao ser realizado o primeiro parto na água feito na banheira e com todo o suporte necessário para o procedimento.

A mamãe Luisa Gonçalves Pinheiro deu à luz à bebê Gabriela e tudo correu conforme planejado. “Eu escolhi o parto na água, pois desde que fiquei grávida gostaria de ter o parto normal. Ao saber que iria inaugurar a banheira na Santa Casa optei pela água, pois seria um parto o mais humanizado possível sendo bom tanto na minha recuperação, como para minha filha, que nasceria no momento dela, sem intervenções médicas”.

Luisa ressaltou o bom atendimento da Santa Casa. “A Santa Casa ofereceu todo o suporte que precisei, desde as meninas da triagem até toda a equipe de enfermagem e médica. O parto foi exatamente como eu tinha planejado, pois graças à Deus foi rápido, eu estava super bem acompanhada de enfermeiras como a Daniela Souza, a Flávia e a Jaqueline e de médicos super competentes como o Roberto Jardim e o Ronaldo Canizela. Logo após o parto minha filha foi para os meus braços e do meu marido, assim como eu planejava. Tive uma recuperação muito rápida e no mesmo dia já estava em pé tomando banho e tudo que precisava. Acredito que o parto na banheira trás muitos benefícios tanto para a mãe quanto para o bebê”.

A gerente de enfermagem da Santa Casa, Daniela Souza também fez um relato sobre o parto. “É maravilhoso quando você trabalha em uma instituição que realmente preza pela humanização e dentro da nova proposta do centro materno infantil. Hoje contamos também com mais a banheira para indução de partos normais e a experiência que a equipe de duas enfermeiras obstétricas, o médico e eu tivemos foi indescritível, nós ficamos realmente emocionados com o nascimento daquela bebê. Nascer sem intervenções e com tudo sendo feito do melhor jeito que a parturiente queria foi algo bem prazeroso a todos da equipe. Foi possível entender que realmente estar lá para apoiar e orientar quanto as melhores escolhas de nascimento para o casal, é algo determinante a boa saúde desta nova integrante da família.

A enfermeira ressaltou a importância de se pensar nos métodos de nascimento. “Toda nossa dedicação e estudos com métodos de nascimento estão desenhando um novo nascer em Ourinhos, pois sabemos que ‘SOMOS AQUILO QUE NASCEMOS’. A saúde futura dos ourinhenses está sendo mudada pelas melhores escolhas de nascimento”, finalizou.

Em comemoração ao Agosto Dourado, Comitê de Aleitamento Materno da Santa Casa homenageia mamães que amamentam

A equipe do Comitê de Aleitamento Materno da Santa Casa de Ourinhos e do Banco de Leite, em comemoração a Semana Mundial do Aleitamento Materno, promoveu um encontro com mamães que amamentam, como forma de homenageá-las por este ato tão importante que contribui para a saúde dos seus filhos.

O encontro aconteceu no dia 09 de agosto no auditório da Santa Casa de Ourinhos e reuniu dezenas de mamães. Na ocasião, as colaboradoras da Santa Casa de Ourinhos falaram da campanha Agosto Dourado e a importância da amamentação e também destacaram o trabalho do Comitê de Aleitamento Materno que discute ações de incentivo ao aleitamento materno e as doações do leite humano.

Logo após a homenagem, as colaboradoras da Santa Casa de Ourinhos ofereceram as mamães um delicioso café da manhã.

É importante frisar que o leite materno tem tudo o que bebê precisa até os 6 meses de idade, inclusive água. Os benefícios são: proteger a criança contra diarreias, infecções respiratórias e alergias; reduzir em 13% a mortalidade em crianças menores de 5 anos; e reduzir o risco de desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade na vida adulta.

Já a doação do leite humano beneficia principalmente os bebês prematuros ou de baixo peso (menos de 2,5 kg), internados na UTI Infantil e que não podem ser amamentados diretamente no seio materno.

Na Santa Casa de Ourinhos, as equipes do Banco de Leite e do Comitê de Aleitamento Materno realizam ações de incentivo ao aleitamento materno durante a internação das mamães como: orientações no pré e pós-parto e na captação de doadoras de leite materno para o próprio Banco de Leite.

O Banco de Leite Materno de Ourinhos funciona na Praça Hermelino Agnes de Leão, na Rua Dom Pedro I, 719 em frente a Santa Casa e o horário de atendimento ao público é das 7 as 13 horas. O telefone para contato 3324-2203 .

Lembrando que toda mãe pode ser doadora, e que doar leite é um gesto de amor que pode salvar vidas.

Agosto Dourado

O mês de agosto é conhecido como Agosto Dourado, porque simboliza a luta pelo incentivo à amamentação. A cor dourada está relacionada ao padrão ouro de qualidade do leite materno. É uma cor toda especial, que já percorre o mundo com o seu laço simbólico. São trinta dias, em que são celebrados a promoção, a proteção e o apoio ao aleitamento.

Há cerca de vinte anos, entre os dias 1º e 7 de agosto acontecem ações, no mundo todo, em prol da amamentação. São dias de atividades que buscam promover o aleitamento exclusivo até o sexto mês de vida, se estendendo até os dois anos ou mais. A Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) faz parte de uma história focada na sobrevivência, proteção e desenvolvimento da criança.

Equipe de colaboradores da Santa Casa apresenta os primeiros resultados do plano de ação do PROADI-SUS

Na última terça-feira, 23 de julho, a equipe de colaboradores da Santa Casa de Ourinhos apresentou aos diretores do hospital os primeiros resultados do plano de ação do Programa de Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS).

A reunião foi acompanhada pela consultora do Instituto de Consultoria e Gestão do Hospital Albert Einstein, Junia Cordeiro, que debateu junto com os colaboradores e diretores da Santa Casa de Ourinhos os pontos positivos e negativos diagnosticados durante a execução do plano de ação.

É importante frisar que o plano de ação é mais uma etapa do Programa de Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), patrocinado pelo Ministério da Saúde (MS) em parceria com o Hospital Albert Einstein de São Paulo, no qual a Santa Casa de Ourinhos foi incluida entre 114 hospitais brasileiros para integrar o projeto “Melhoria do Sistema de Gestão dos Hospitais SUS”.

Antes da apresentação dos primeiros resultados, o Instituto de Consultoria e Gestão do Hospital Albert Einstein realizou a visita diagnóstica, em seguida houve análise do plano de ação e o acompanhamento in loco.

As próximas reuniões serão realizadas mensalmente para que sejam apresentadas as evoluções da execução do plano de ação, assim como a discussão dos resultados apresentados e as tomadas de decisões decorrentes.

PROADI-SUS

Desenvolvido para colaborar com o fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS), o Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS) é financiado com recursos de isenção fiscal, concedida aos hospitais filantrópicos, com excelência reconhecida pelo Ministério da Saúde. O Programa visa promover a melhoria das condições de saúde da população.

O PROADI-SUS permite a transferência, desenvolvimento e incorporação de novos conhecimentos e práticas em áreas estratégicas para o SUS, por meio da execução de projetos de apoio e na prestação de serviços de saúde ambulatoriais e hospitalares, enquadrados em áreas específicas, estabelecidas pela Lei nº 12.101, de 27 de novembro de 2009.

 

Julho Amarelo: Infectologista alerta população sobre as hepatites virais

5558d744-95ea-4389-95cb-7374df589260

Julho foi adotado pelo Ministério da Saúde e pelo Comitê Estadual de Hepatites Virais como o mês de luta e prevenção das hepatites virais. A ação é baseada na meta de erradicar a hepatite C até 2030.

Segundo o Ministério da Saúde, milhões de pessoas no Brasil são portadoras do vírus das hepatites B e C e não sabem, correndo o risco de evoluírem para a doença crônica, cujas consequências mais graves são a ocorrência de cirrose ou câncer hepático.

O Brasil registrou 40.198 casos novos de hepatites virais. O Boletim Epidemiológico 2018 informa que os casos da doença são maiores em homens de 20 a 39 anos.

Entrevistamos o infectologista, Dr. Luis Mazzetto que falou sobre o assunto e destacou que o maior desafio quando se fala em hepatites virais atualmente é o diagnóstico, principalmente das Hepatites Crônicas B e C, pois a maioria dos portadores desses vírus não possuem sintomas.

Confira a entrevista completa:

O que são as hepatites virais?

Hepatites virais são doenças que acometem o fígado gerando um processo inflamatório agudo e que em alguns casos pode tornar-se crônico (quando essa inflamação persiste por mais de 6 meses) e a longo prazo levar a um quadro de cirrose, insuficiência hepática e aumento do risco de desenvolvimento de câncer no fígado. São doenças causadas por vírus que possuem uma grande afinidade pelo tecido hepático. Os mais comuns no Brasil são:

Vírus da Hepatite A (HAV): de transmissão fecal-oral (água e alimentos contaminados), atinge principalmente crianças e em locais com condições sanitárias precárias. Não cronifica a infecção mas podem ocorrer casos agudos graves. É prevenível por vacinação.

Vírus da Hepatite B (HBV): transmitido por relações sexuais desprotegidas (infecção sexualmente transmissível-IST), por via parenteral (exposição a sangue de um portador da doença, como compartilhamento de agulhas, lâmina de barbear, alicate de unha, procedimentos médico-cirúrgicos ou odontológicos com materiais não limpos ou esterilizados) e transmissão vertical (da mãe para o bebê). Após a infecção pode evoluir para cura ou cronificação. É prevenível por vacina e em alguns casos de exposição acidental ou bebês filhos de mãe portadoras também por imunoglobulina.

Vírus da Hepatite C (HCV): transmitido basicamente por via parenteral (exposição a sangue de um portador da doença). Após a infecção poucos casos evoluem para cura espontânea e a maioria torna-se uma infecção crônica. Não existe vacina contra o Vírus da Hepatite C até o momento, nem imunoglobulina.

Também existem outros vírus que causam Hepatites, mas são pouco frequentes, principalmente na nossa região:

Vírus da Hepatite D ou Delta (HDV): mais comum na região norte do Brasil e que só acomete portadores da Hepatite B.

Vírus da Hepatite E (HEV): semelhante à Hepatite A, de transmissão fecal-oral, pode ocasionar surtos e circular entre animais de criação (zoonose).

Qual o grande desafio para combater as hepatites virais?

O maior desafio quando falamos em hepatites virais atualmente é o diagnóstico, principalmente das Hepatites Crônicas B e C, pois a maioria dos portadores desses vírus não possuem sintomas, podem evoluir com as complicações já citadas (cirrose, câncer de fígado) e transmitir a doença para outras pessoas sem saber, principalmente as que têm um convívio mais próximo.

Quais outros cuidados e formas de prevenir as hepatites?

A principal forma de prevenção das Hepatites A e B é a vacinação.

Em casos específicos também há indicação da imunoglobulina contra a Hepatite B.

Quando o paciente descobre ser portador de alguma Hepatite Crônica B ou C também é importante protegem o parceiro sexual utilizando preservativos durantes as relações sexuais e não compartilhar objetos que possam lesar a pele ou as mucosas acumulando sangue em suas superfícies, como alicates de unha, lâminas de barbear e escovas de dente.

Existem tratamentos? Quais?

Existem tratamentos para as Hepatites e são diferentes para cada vírus e de acordo com a situação clínica do paciente. O ideal é que se faça o diagnóstico da infecção o mais precocemente possível, antes de complicações como a cirrose ou o câncer de fígado, evitando desse modo o transplante de fígado e reduzindo a mortalidade causada por essas doenças.

Na maioria dos casos de Hepatite Viral Crônica B há necesdidade apenas de seguimento dos portadores assintomáticos. Em algumas situações é necessário o uso de medicamentos continuamente para reduzir a replicação do vírus e a inflamação no fígado, mas com poucas chances de cura, apenas controle da doença.

Já para os portadores de Hepatite Viral Crônica C surgiram nos últimos anos medicamentos extremamente eficazes e com poucos efeitos colaterais, que agem diretamente sobre o ciclo de replicação do vírus, os chamados DAAs (Direct Acting Antivirals). A taxa de cura da infecção pelo HCV passou a ser superior a 95% com o uso desses medicamentos, após 8 a 24 semanas de tratamento, dependendo do tipo de vírus e das características do paciente.

Os tratamentos estão disponíveis pelo SUS e em Ourinhos existe um ambulatório específico, o SAEDI (Serviço Ambulatorial Especializado em Doenças Infecciosas), que atende portadores das Hepatites Virais B e C e pessoas que vivem com HIV/Aids.

Serviço

SAEDI Ourinhos: Rua Venceslau Brás, 31 (ao lado do Postão). Telefone: (14) 3302-6101. Coordenadora: enfermeira Marcela.